Publicado em 09 de jan de 2019

Precisamos falar de Bandersnatch

Oioioi, temos que falar sobre Black Mirror! Na sexta-feira de ano novo, 28/12, a então série da Netflix decidiu lançar um filme. Não apenas um longa normal, mas uma trama interativa na qual você escolhe o que vai acontecer em certos pontos do filme.

Stefan Butler, protagonista do filme, é um programador de 19 anos – Foto: Netflix/Produção

A série sempre abordou assuntos relacionados a tecnologia de uma forma bem crítica que nos faz ficar pensando e analisando inúmeras coisas ao final de cada episódio. E o que “Black mirror:  Bandersnatch” nos faz pensar?

A principio o protagonista do enredo parece apenas ter uma vida normal sem nada muito inovador na década de 80. Antes de assistir encontrei meu irmão na sala de casa com a minha cunhada fazendo o seguinte comentário “não tem nada de black mirror nesse filme, não tem nada de tecnologia, é um menino normal”.

Porém dessa vez – do meu ponto de vista – a Netflix não se conteve apenas com um enredo que falasse sobre os assuntos que eles queriam e pronto. Nessa produção eles decidiram mexer com cada telespectador sentado em seu sofá de uma forma única.

Começamos pelo fato de que você está escolhendo o que vai acontecer. Apesar de já existirem livros com essa perspectiva, essa foi a primeira vez que me deparei com um filme que me desse essa liberdade.

As escolhas são feitas através de uma barra na parte inferior da tela – Foto: Netflix/Produção.

A partir desse ponto cada telespectador cria uma conexão especial e diferente dos outros com o que acontece em sequência. (ALERTA SPOILER) Por exemplo: caramba se eu tivesse escolhido o outro cereal será que eu não teria que estar matando um dos dois nesse momento? Porque não é o diretor que tomou essa decisão, é você, eu.

E a partir desse pensamento eu me levei a outro (viajei bastante, eu sei, mas me acompanha aqui). A sensação de que você está no controle é ilusória, afinal em nenhum momento temos a possibilidade de não escolher por exemplo, ou então optar por uma terceira opção que não foi colocada ali.

Cheguei a conclusão, ou melhor, no questionamento “sou eu que estou controlando ou são eles?”. Para mim o enredo todo não se trata do que acontece na história que está passando na tela do seu celular, nootbook ou televisão, se trata de como a nossa cabeça funciona e a ilusão que criamos de controle sobre as coisas.

Viajei muito? Vocês também enxergaram isso? Conta pra mim o que Bandersnatch te fez pensar!

Beijos de brigadeiro, Ana.

Tags
Equipe

Postado por

Equipe

Somos mais que uma equipe, somos amigas bem diferentes entre si. Mas estamos sempre conectadas tentando trazer abordagens bacanas, pensantes e diferentes para vocês.

Comentários

  • Avatar

    Ines

    Em 09.01.2019

    Não assisti, depois desse blog fiquei com vontade kkkkk.

  • Juliana Garcia

    Juliana Garcia

    Em 09.01.2019

    Então, corre para pegar a pipoca e bom filme =)