Publicado em 24 de out de 2018

Katsuya: cozinha japonesa consagrada no coração de Toronto

A maior cidade canadense, Toronto, não é só cosmopolita e moderna. Ela também oferece um menu recheado de opções gastronômicas do mundo inteiro. A razão para isso é a falta de pratos regionais, o que abre portas para os estrangeiros que sabem cozinhar com os temperos de seus países.

Centro de Toronto visto da CN Tower – Foto: Juliana Garcia

Esse é o caso do Katsuya, restaurante liderado por chefes asiáticos que buscam levar aos clientes sabores do Japão e da Ásia. Apesar de estar em funcionamento apenas desde outubro de 2015, o lugar já foi eleito dois anos consecutivos, pela Yelp, um dos 100 melhores restaurantes de todo o Canadá.

Por fora, a casa, que fica no centro da cidade, não aparenta ser nada aconchegante, mas é uma descoberta ao passar da porta de entrada e encontrar um ambiente rústico-elegante, com luzes penduradas em cordas e cozinha à mostra.

Como boas-vindas é servido um Missoshiru, que é reposto a cada momento, assim como uma garrafa de água morna que acompanha as garfadas. Mas não fica por aí, os pratos, que oscilam entre 11 e 30 dólares canadenses, são uma exploração de cheiros, texturas e sabores.

Entre as opções disponíveis, um dos mais procurados é o Katsu. Cozinhado em peixe, porco ou frango é guarnecido com um salpicado de bonito flakes – também conhecido como Katsuobushi, carne seca de atum-bonito -, repolho ralado e  gengibre rosa.

Katsu de frango servido com arroz japonês, repolho e lascas de bonito flakes – Foto: Juliana Garcia

Antes de pôr os talheres sobre o prato, o restaurante convida os clientes a postarem em qualquer rede social uma foto da refeição ou do lugar, para ganhar uma bebida, de sua preferência, de graça. Ao sair da casa, fica a certeza de que Toronto oferece tipos gastronômicos de qualidade.

BeiJUs, Juliana

Tags
Avatar

Postado por

Juliana Garcia

"Quando paro para escrever sobre mim é sempre um desafio". Essa frase me acompanha há tempos, porém descobri com o tempo que ainda estou em busca de quem sou, me perdi, me perco no caminho da vida e estarei tentando me achar. Quem aqui estiver, espero que desfrute da jornada comigo e que em algum momento se deixe vulnerável o bastante para sentir. Afinal o sentimento é o que nos torna humanos, não?! Aquilo que vem de dentro quero abraçar, seja o detalhe da alegria, dor, faz tudo parte da caminhada que o coração, corpo e mente expõem. Se aprendi uma coisa, principalmente após meu pai ser diagnosticado com uma doença rara (ELA), é que o corpo humano é maravilhoso e conviver com ele está para lá de ser algo fácil, então seja qual for o momento da vida quero poder gritar o que penso, sem regras e pontos. Se for preciso pontos que sejam os meus. Até breve, Ju.